Enquanto no Brasil se inicia a flexibilização das medidas de isolamento social após meses restrições por conta do novo coronavírus, cidades inteligentes como Paris e Copenhague já vivem as primeiras etapas de relaxamento. Certamente, nada mais será como antes. Mas, qual será o novo normal?

Para entender o que já mudou ou o que podemos esperar daqui em diante é preciso avaliar quais soluções para problemas urbanos complexos foram bem-sucedidas. Somente assim, será viável manter o desenvolvimento sustentável das cidades e torná-las ainda mais inteligentes no futuro. Cidades inteligentes devem passar a aliar tecnologia para aperfeiçoar os processos de planejamento e gestão urbanos. 

Ao adotar políticas de desenvolvimento humano, social, econômico, urbano e regional na reformulação dos espaços públicos, as cidades conseguem atender a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Confira a seguir o que será no novo normal na vida urbana pós-pandemia.

O novo normal das cidades inteligentes no pós-pandemia

É evidente que a pandemia modificou os hábitos de consumo e como nos relacionamos com a cidade. Entenda qual será o novo normal no pós-pandemia e as principais tendências no que se refere ao planejamento e gestão urbana de cidades inteligentes. 

Ambientes de convivência adaptados

Sem uma vacina contra o coronavírus, os ambientes de convivência terão que passar por uma série de adaptações para voltarem a funcionar e assegurar o cumprimento das políticas higienistas de combate à proliferação de doenças. Fator que já está influenciando a arquitetura e urbanismo de centros urbanos, que se adaptam à realidade atual com intuito de proporcionar a melhoria da qualidade de vida das pessoas. 

Estabelecimentos reforçam medidas de segurança

Os comércios já reabriram em boa parte do país e essa já é uma realidade em outros países em que a pandemia está controlada. No entanto, uma série de medidas de segurança passaram a se tornar exigência para o funcionamento dos estabelecimentos comerciais, como manter o distanciamento entre clientes, placas de vidro para formar uma barreira entre o caixa e o cliente, máscara e álcool gel disponíveis na entrada do estabelecimento, entre outras iniciativas. 

Galerias e shoppings a céu aberto passam a ser valorizados

Empreendimentos comerciais modernos e conectados com a rua tem maior potencial de retomada na pós-pandemia, especialmente em comparação com os shoppings centers. Ventiladas e ligadas à rua, galerias e ruas compartilhadas podem ser o futuro dos shoppings no pós-pandemia. 

O Passeio Pedra Branca, primeira rua compartilhada do Brasil, é um exemplo de modelo de empreendimento moderno bem sucedido. Projeto pioneiro em termos de novo urbanismo com calçadas amplas e no mesmo nível da rua que permite a locomoção com segurança e em harmonia com a natureza. Por oferecer ventilação, espaços compartilhados e ligação com a rua, podem funcionar oferecendo menor risco de contaminação e contribuindo para o desenvolvimento urbano sustentável da região onde está localizado.

Intermodalidade ganha força

No pós-pandemia, lugares mais próximos das residências passam a ser mais valorizados. Por conta disso, o estímulo ao uso da bicicleta e outros modais ativos passa a ser uma tendência ainda mais forte. Ao promover a intermodalidade, é possível conectar modais alternativos para que as pessoas transitem pelo bairro e pela cidade por meio de uma mobilidade urbana mais sustentável. Iniciativa que contribui diretamente para a redução dos gases de efeito estufa poluidores que aceleram as mudanças climáticas.

Agora que já conhece as principais tendências das cidades inteligentes no pós-pandemia, conheça as características de um projeto urbanístico que transforma a relação das pessoas com a cidade.

Comentários