A rua planejada para conectar o bairro à nova centralidade foi recriada a partir das premissas do Novo Urbanismo, com foco na promoção da “caminhabilidade” .

Uma “cidade para pessoas” deve ter ruas que atraiam as pessoas. Esse conceito, elementar à primeira vista, representa um dos principais desafios ao planejamento urbano. “Se as ruas de uma cidade parecerem interessantes, a cidade parecerá interessante. Se as ruas parecerem monótonas, a cidade parecerá monótona”, já dizia a urbanista e ativista social Jane Jacobs, autora do livro “Morte e vida das grandes cidades”, escrito por ela em 1961, uma das publicações de referência para a Cidade Pedra Branca. 

Essa antiga e certeira receita para o planejamento das cidades e as estratégias apontadas pela consultoria do dinamarquês Gehl Architects, um dos mais renomados escritórios de urbanismo do mundo, apontaram o caminho. “Decidimos rever todo o projeto e refazer a rua principal da nova centralidade de bairro. Foi a maior ‘maluquice’. Ela estava asfaltada, com palmeiras imperiais dos dois lados da via e calçadas concretadas de três metros de largura”, recorda Marcelo Gomes, presidente da Cidade Pedra Branca. Com 250 metros de extensão, a rua liga a universidade à praça central idealizada, e precisa ser recriada para tornar-se convidativa. 


Assim nasceu o Passeio Pedra Branca – o “shopping a céu aberto da região”, reunindo lojas, bares e restaurantes em um espaço público atraente, confortável e seguro. Inaugurado em 2013, foi a primeira grande entrega da Cidade Pedra Branca, com calçadas de oito metros de largura, cabeamento subterrâneo, farto mobiliário urbano e abundante e diversificada vegetação, projetado pelo escritório JA8 Arquitetura e Paisagem. “Nosso papel na Pedra Branca iniciou com o projeto dos pátios dos empreendimentos, já previstos no Masterplan original, que eu acho muito interessante, pois é um espaço coletivo semipúblico. Para o Passeio, a equipe da Gehl trouxe o conceito de disrupção das linhas que a gente conseguiu absorver o suficiente para aquele momento”, conta a arquiteta Juliana Castro, uma das titulares do escritório. A intervenção totaliza 8.525 metros quadrados, considerando rua e praça. 

Uma das principais inovações foi a implantação do conceito de rua compartilhada – a primeira do país – com calçadas sem meio-fio, no mesmo nível da via, facilitando a mobilidade urbana e, principalmente, exigindo a redução da velocidade dos carros, que não pode ultrapassar os 10 km/h. A prioridade, afinal, é dos pedestres. A rua, assim, deixa de ser um local de passagem e passa a ser um destino para o convívio e, também, para caminhadas e passeios de bicicleta. Outro diferencial é o espelho d´água criado como ponto central da praça.  “Ele trouxe uma riqueza visual muito grande, e uma diversidade de atividades e de brincadeiras que a gente não tinha”, pontua Juliana. 

O espelho é circundado por ambientes de estar e de contemplação, vegetação variada, com prioridade para espécies nativas da Mata Atlântica, e cadeiras soltas, para maior comodidade dos usuários. “Sempre desejamos incluir a cadeira solta nos nossos projetos de espaço urbano”, comemora a arquiteta. Para ela, gentilezas urbanas como essas oferecem dignidade para as pessoas, as quais respondem com respeito e admiração. 

Assista ao vídeo e conheça o Passeio Pedra Branca 

https://www.youtube.com/watch?v=WYBH7pd4c6Y



Vida urbana

A infraestrutura do espaço é aprimorada ano a ano para ampliar as opções de cultura, esporte e lazer à comunidade 

Viva a rua. Esse é o conceito do Passeio Pedra Branca, planejado para ser mais do que um shopping a céu aberto, com mix variado de opções de comércio e serviços. A estrutura foi pensada para ser, também, um destino para o lazer, um estímulo à vida urbana. Restaurantes e bares garantem a atividade noturna no local, incentivada pela farta iluminação pública e segurança monitorada. E, aos finais de semana e feriados, além da praça com espelho d´a´gua – um atrativo natural ao local – frequente programação de eventos, dos mais variados portes – de feira de artesanato e de alimentos orgânicos a cinema ao ar livre e atrações festivas e temáticas, como o Natal Encantado, evento já consolidado na região. 

A prática de esportes a céu aberto também sempre foi incentivada na Cidade Pedra Branca, tendo a natureza exuberante do entorno como cenário. Especialmente pelo visual privilegiado do Morro da Pedra Branca, que, aliás, convida à exploração. Com 490 metros de altitude, o topo do morro oferece uma visão panorâmica de toda a região da Grande Florianópolis e, por isso, atrai milhares de aventureiros à visitação. A trilha existente, formada por rochas calcárias entre variada vegetação de Mata Atlântica, pode ser acessada por São José ou por Palhoça, já que o morro está na divisa dos dois municípios. A distância total percorrida para alcançar o topo é de 5 quilômetros, representando em torno de 5 horas, entre ida e volta e paradas. A dificuldade é considerada de nível moderado e, por isso, a trilha não é recomendada para pessoas sedentárias. Empresas de turismo da região oferecem visitas guiadas ao local. 

Aos pés do morro, amplas áreas de lazer, com academias ao ar livre, quadras de esporte e ciclofaixas estiveram no planejamento do bairro desde a sua criação, em 1999, e vêm sendo multiplicadas a cada nova etapa do bairro-cidade, para fortalecer e estimular ainda mais a prática de atividade física. A iniciativa mais recente, inaugurada em dezembro de 2018, foi a Arena Pedra Branca. “Esse foi um projeto que veio para aquecer o fluxo de movimento do Passeio e fortalecer o nosso conceito de ‘Vida a Rua’”, afirma Ana Carolina Bordin, gestora do Passeio Pedra Branca. A estrutura compreende um espaço esportivo ao ar livre, aberto ao público, com quadras de areia e pistas de mountain bike e pump track, para os adeptos de ciclismo esportivo, viabilizado pela Pedra Branca Empreendimentos Imobiliários em parceria com lojistas e empresários da região.

Assista ao vídeo e conheça a trilha da Pedra Branca.

https://www.youtube.com/watch?v=lc5ei1VFQu8



------------

Matéria originalmente publicada na revista ÁREA apresenta: Cidade Criativa Pedra Branca, lançada em junho de 2020.

Comentários