Todos os setores da economia foram afetados por conta do novo coronavírus. Diante do cenário desafiador imposto, as cidades do futuro precisam de adaptar ao contexto atual, levando em consideração diversos fatores, como por exemplo: preservação ambiental e desenvolvimento urbano sustentável. 

Mais da metade dos seres humanos hoje vivem em cidades, projeções apontam que esse número deve aumentar para 70% até 2050. Para solucionar os maiores desafios globais, as cidades devem ser planejadas para contemplarem as necessidades das pessoas e proporcionar maior qualidade de vida, utilizando a tecnologia como aliada para otimizar espaços e recursos, promovendo o  desenvolvimento econômico sustentável da região. 

Saiba quais iniciativas as cidades do futuro devem adotar para se adaptarem no mundo pós-pandemia.

Cidades do futuro: tendências adotadas no mundo pós-pandemia

Incentivo à mobilidade ativa

Ações de planejamento urbano para aproximar casa e trabalho, incentivando a mobilidade ativa e a prática de atividades físicas por meio de infraestrutura adequada para caminhadas, ciclismo e outros modais é uma das principais tendências no mundo pós-pandemia. Ao tornar a cidade menos dependente do automóvel é possível sentir os benefícios desta iniciativa, seja pela redução do número de mortes por acidentes de trânsito ou pelo melhoria na qualidade do ar nas cidades por conta das medidas de isolamento impostas que diminui a circulação de carros nas ruas e, por consequência, reduziu a poluição do ar.

Valorização dos espaços de convivência compartilhados

O esvaziamento dos espaços públicos em decorrência das medidas de quarentena e distanciamento social impostas pela pandemia, evidenciou a importância da valorização de espaços de convivência compartilhados que promovem trocas entre as pessoas e a construção cultural de uma comunidade, que somente esses espaços são capazes de promover. 

Apesar do home office e o ensino à distância serem considerados tendências que vieram para ficar no pós-pandemia, a valorização dos espaços públicos será de extrema importância na retomada da vida em comunidade e a manutenção dos espaços públicos, sobretudo os ambientes abertos devem ser adaptados para as atividades . Diversas cidades no mundo já colocaram em prática políticas de ampliação de áreas para pedestres e ciclistas. Dessa forma, será viável amenizar os impactos ambientais, sociais e econômicos da pandemia, tornando as cidades mais inteligentes e sustentáveis.

Investimento em arquitetura sustentável

O processo de urbanização intenso que devemos continuar enfrentando no futuro pode gerar diversos problemas, como a poluição do ar, alto volume de resíduos sólidos, mais probabilidade de enchentes, entre outros. Para tentar evitar que catástrofes em decorrência desses eventos ocorram, será preciso adotar tendências arquitetônicas para cidades do futuro. O planejamento urbano deve passar a incorporar áreas verdes não só em parques, mas em canteiros, avenidas, calçadas. A arquitetura sustentável busca adaptar os espaços comuns às necessidades humanas atuais, utilizando os recursos naturais de maneira eficiente a fim de proporcionar melhor qualidade de vida das pessoas.

Inovação para melhoria da qualidade de vida

As novas tecnologias estão causando um impacto cada vez maior na maneira com que as pessoas se relacionam com o espaço urbano. Essa tendência passa a ser ainda mais forte no pós-pandemia. Inovações para análise de dados, ferramentas de inteligência artificial, o desenvolvimento de novos sistemas de transporte mais sustentáveis e plataformas digitais que facilitam a rotina das pessoas se torna cada vez mais presente na nova realidade.

Comentários